top of page

Faz hoje 50 anos que o União venceu o Marítimo

Faz hoje 50 anos que o União venceu no dia 3-6-1973, no velhinho Estádio 1º de Maio o Marítimo do Funchal por 1-0. Esse jogo fazia parte da “liguilha” de acesso á 2ª Divião que o União acabou por vencer na penúltima jornada.

Sobre esse jogo Augusto Mesquita escreveu no livro “Contributo para a História do Grupo União Sport” o seguinte:

“No dia 3 de Junho de 1973 o Grupo União Sport recebeu no seu Estádio 1º de Maio o Marítimo da Madeira, e venceu por 1 a 0. Arbitro foi Inácio de Almeida de Setúbal.

União: Vital, Tivo I, Carraça (Doilio), Américo I, João Jaime, José Chico, Policarpo (Calhau), Moleirinho, José Luis, Américo II e Lipa.

Marítimo; Severino, Belarmino, Emanuel, Hilário, Isac, Andrade, Calisto, Ângelo, Orivaldo (Tininho), Joel e Noémio.

Pela primeira vez o Marítimo toma parte nos encontros oficiais da Federação Portuguesa de Futebol, e não foi bem-sucedido no começo da sua carreira.

Aqui em Montemor, onde veio defrontar o clube local foi derrotado.

O encontro iniciou-se com ambas as turmas num estudo mútuo. Este estudo permaneceu durante o 1.º quarto de hora, pois logo os dois grupos começaram num equilíbrio de jogadas, e jogadas essas onde houve futebol de bom nível,

O equilíbrio das duas equipas justificava o nulo verificado ao intervalo, para além de Orivaldo ter perdido o golo aos 32 minutos num bom lance de cabeça, aquando da marcação de um canto, e com Vital mesmo batido, mas o remate do Orivaldo, foi ao lado do poste direito.




O golo

No segundo tempo, os locais colocaram-se em vencedores, aos 63 minutos de jogo, quando os unionistas em contra ataque por intermédio de Américo II, este a exibir-se muito bem neste encontro, adiantou a bola para José Luis. Mas Severino saiu da baliza e chegou primeiro ao esférico, assim como Belarmino. Ambos perderam o sangue-frio, e José Luis, apoderou-se do esférico e deixou os dois por terra, entrando a passo com a bola até ao fundo das malhas. Este o lance que ditou a vitória dos montemorenses, o lance de grande infelicidade para o Marítimo!


O golo anulado

Aos 23 minutos, o fiscal de linha do lado da bancada anulou um tento aos unionista: Lipa junto à linha de cabeceira, onde muito bem entrou; e eis que apareceu Américo II a intervir de cabeça a fazer o golo. Mas o fiscal e linha justificou que Lipa havia centrado o esférico fora do retângulo. Se foi assim ou não foi, não podemos responder, não nos encontrava-mos em posição de podemos responder, não nos encontrava-mos em posição de analisar convenientemente o lance, e assim como o “bandeirinha” também estava atrasado em relação ao local onde decorreu o lance, para poder fazer assim justiça.


Que adiantar?

Que os unionistas realizaram uma boa exibição, comparada aquela outra com o Juventude aqui em “casa”, praticando bom futebol.

No Marítimo, não vimos realmente aquele conjunto” que esperávamos, e que nos tinham elucidado. Embora haja a considerar a frase de um dos dirigentes “A minha equipa não fez o melhor que sabe e pode”.

O autor salienta ainda que “do plantel dessa altura 15 dos jogadores eram naturais de Montemor-o-Novo”


A arbitragem

Excelente trabalho do Sr Inácio de Almeida. Cumpriu e fez cumprir as leis do futebol.


Troca de lembranças

Os dirigentes do União, ofereceram aos insulares, um tarro de cortiça, um emblema do GUS, um galhardete e uma garrafa de poejo.

Os madeirenses ofereceram uma garrafa de vinho da madeira, um bolo de mel e um galhardete.


(Página da reportagem do jornal A Bola publicada no dia seguinte 4-6-1973)


Inauguração da 1ª fase da sede

Antes do início do jogo, foi inaugurada a 1ª fase da sede do Grupo União Sport, sita no Estádio 1º de Maio. (Até esta data a sede estava situada na Rua Capitão Pires da Cruz)

Augusto Mesquita sobre esta nova localização da sede do GUS, escreveu no referido livro: “Infelizmente a obra não continuou e ficou-se pelo primeiro piso, com a placa a servir de cobertura. Até que, em 17 de Novembro de 1982, fruto do trabalho desenvolvido pela Comissão Pró-Sede, presidida por Luís Catarino, a obra projectada pelo arquiteto Sá Reis estava concluída, e a sede do Grupo União Sport foi finalmente inaugurada e entregue pela Comissão ao Clube, livre de qualquer encargo. Este sonho, só foi possível, graças à organização de um Cortejo de Oferendas, à realização de um sorteio semanal, à angariação de materiais e de dinheiro, a empresas e a particulares, e ainda, à realização de muito, muito trabalho voluntário. Após a construção das bancadas cobertas, a sede foi transferida para este local, e a antiga sede foi arrendada”.


MF Novo

457 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page