“Montemor é um diamante por lapidar”

Atualizado: 4 de jul. de 2021


O Partido Socialista fez hoje (3/7) a apresentação dos seus cabeças de lista para as próximas eleições autárquicas em Montemor. Para a Câmara Municipal, Olímpio Galvão faz a sua terceira tentativa para chagar à cadeira da presidência, depois de no mandato que agora está a terminar ter ficado a escassos 500 votos da vitória; para a Assembleia Municipal segue Carmen Carvalheira que substitui Carlos Zorrinho, e a lista à Assembleia de Freguesia da maior freguesia do concelho será liderada por Pedro Cachola.

Perante cerca de uma centena de pessoas, os candidatos fizeram a sua apresentação e prometeram a mudança política na cidade. Pedro Cachola, um estreante nestas andanças políticas, entende que é possível “tornar Montemor numa referência obrigatória a quem por cá passar” e acredita que “melhor é possível”.

O deputado municipal, e eurodeputado, Carlos Zorrinho fez um balanço dos oito anos de mandato que exerceu na Assembleia Municipal e defende que “vamos partir para um novo ciclo". Carmen Carvalheira que deixa a vereação para passar para a Assembleia Municipal referiu que os problemas da cidade que existiam há oito anos “são os mesmos de hoje”, tendo tecido críticas às obras realizadas na Rua de Aviz e à falta de ligação entre os empresários e o executivo municipal.

Por último, Olímpio Galvão frisou que conhece o tecido empresarial do concelho, bem como as suas limitações, e comentou a gestão comunista por “não saber adaptar-se aos novos tempos”. No seu discurso de apresentação, salientou ainda que “o PS irá colocar Montemor na economia digital” e sublinhou que “tempos difíceis geram oportunidades”, acrescentando que “Montemor é um diamante por lapidar”. O candidato criticou ainda os comunistas ao afirmar que “em Montemor não existe uma democracia participativa”.


A.M. Santos Nabo

foto Paulo Caldeira

0 visualização0 comentário